jusbrasil.com.br
23 de Maio de 2017
    Adicione tópicos

    Desaparecidos no Rio sobem 29% em 10 anos

    OAB - Rio de Janeiro
    Publicado por OAB - Rio de Janeiro
    há 4 anos

    Hoje faz um mês que o auxiliar de pedreiro Amarildo de Souza desapareceu após ser levado por policiais

    Pouco depois das 18h30 de 14 de julho, após voltar de uma pescaria, o ajudante de pedreiro Amarildo de Souza, 43, foi colocado no carro da UPP (Unidade de Polícia Pacificadora) e levado para a sede da unidade no alto do morro da Rocinha. Nunca mais foi visto.

    Hoje, um mês depois, a família ainda não sabe o que aconteceu com ele.

    O caso não é isolado. Na contramão da redução dos índices de homicídios dolosos (intencionais) ou autos de resistência (confronto com policiais), os números de desaparecimento crescem no Rio.

    Nos primeiros cinco meses deste ano, 2.655 pessoas desapareceram em todo o Estado: 17 a cada dia. O governo ainda procura uma explicação para o aumento.

    Em uma década (2003-2013), o índice cresceu 29%. No mesmo período, homicídios caíram cerca de 50% e os autos de resistência, 68%.

    "Estamos buscamos informações para saber o que acontece. Precisamos detalhar e entender as causas", afirma o coronel Paulo Teixeira, diretor do ISP (Instituto de Segurança Pública), órgão responsável pelas estatísticas da Secretaria de Segurança.

    "Fica claro que, com o aumento de desaparecidos e a queda de homicídios e autos de resistência, muitas mortes foram ocultadas", diz o sociólogo Fábio Araújo.

    Em sua tese de doutorado, Araújo mostra que a Baixada Fluminense e as zonas norte e oeste têm o maior número de desaparecidos no Estado.

    Segundo ele, isso acontece na zona oeste por causa de milícias; na Baixada Fluminense, pelos grupos de extermínio formados principalmente por policiais militares corrompidos; e na zona norte do Rio, pelos traficantes.

    Manifestação

    Ontem, nas escadarias da Assembleia Legislativa, um grupo teatral ligado à ONG Rio de Paz protagonizou um ato para lembrar os desaparecidos no Estado.

    A manifestação foi realizada antes de uma audiência pública sobre casos de desaparecidos no Rio, criada pela Comissão de Defesa dos Direitos Humanos e Cidadania.

    "Só quero saber onde está meu marido. Ele sumiu, evaporou e ninguém sabe nada", disse Elisabete Gomes da Silva, 48, mulher de Amarildo.

    Disponível em: http://oab-rj.jusbrasil.com.br/noticias/100650681/desaparecidos-no-rio-sobem-29-em-10-anos

    0 Comentários

    Faça um comentário construtivo para esse documento.

    Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)